Tag Archives: Eduardo Severin

Bilionários por acaso: A criação do Facebook – Ben Mezrich

10 set

Bilionários por acaso conta a história de Mark Zuckerberg e Eduardo Severin, dois amigos que se conheceram na universidade de Harvard e que juntos em busca de conquistar garotas acabam desenvolvendo a maior rede social do mundo, o Facebook.

A história que virou filme é escrita nessa obra de maneira cinematográfica e intrigante. Ben Mezrich, autor do livro, buscou com base em entrevistas, documentos e relatos, recriar não apenas os diálogos, mas também os detalhes da história da maneira como possivelmente aconteceram.

Diferentemente do filme “A Rede Social”, o livro Bilionários por acaso inicia a história desde o primeiro momento em que Mark Zuckerberg e Eduardo Severin se conheceram, todas suas tentativas para o desenvolvimento de uma rede social popular entre os jovens, até o término da amizade e as lutas nos tribunais.

Vale a pena conferir e conhecer os detalhes dessa emocionante história que começou entre os muros de um alojamento estudantil, ganhou o mundo e as telas dos cinemas. Envolta entre a vontade de vencer na vida e a perca da inocência, esta obra irá surpreender suas expectativas!

Saboreie alguns trechos:
“Certamente, ele não tinha como saber, nem antes nem então, que aquele garoto com o cabelo enroladinho viraria do avesso todo o conceito de rede de relacionamentos sociais – que um dia aquele garoto com o cabelo enroladinho que tentava entrar nas primeiras festas da faculdade mudaria mais a vida de Eduardo que qualquer Clube Final.” (p. 15)

“– Parece bem legal – disse Eduardo, olhando por cima do ombro de Mark. Mark assentiu, como se estivesse concordando consigo mesmo.
– É.
– Não, quero dizer, está ótimo. A interface é fantástica. Acho que as pessoas vão realmente dar um retorno positivo a esse site.” (p. 88)

“[…]
– E para entrar – disse Eduardo, sua sombra pairando sobre a maior parte da tela – você precisa ter um e-mail @havard.edu e criar uma senha.
– Correto.
O e-mail @havard.edu era a chave, na cabeça de Eduardo; você precisava ser aluno de Havard para frequentar o site. Mark e Eduardo sabiam que a exclusividade faria o site se tornar ainda mais popular […]” (p. 90)